Estudos a Respeito do Ankylossauro


- quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Um Ankylossauro provavelmente não poderia matar um Tiranossauro Rex, mas novas pesquisas sugerem que a estrutura óssea no final da sua cauda poderia quebrar seu tornozelo.

Para estimar o quão forte um Ankylossauro poderia bater com sua cauda, pesquisadores canadenses examinaram tomografias de diversas caudas fossilizadas de dinossauros de diferentes tamanhos. Combinando os dados de imagem com medidas da coluna vertebral do dinossauro, determinou-se que o Ankylossauro poderia balançar o rabo em um arco de 100 graus para a lateral e que poderiam gerar força suficiente para esmagar ossos.

Os cientistas há muito vem especulado que as caudas de ankylossauros era uma arma para se defender de outros dinossauros, mas até agora ninguém tinha estudado se esta era uma arma biologicamente viável. Usando dados do CT e de três programas de modelagem tridimensional, calcularam o volume, a massa e a velocidade de impacto de da cauda de pequenos e grandes dinossauros da família Ankylosaurus.

Os investigadores pensam que a cauda, composta de forte integração vértebras com uma grande "bola" óssea no final, provavelmente tinha limitado intervalo vertical do movimento, mas pode oscilar livremente de um lado para outro. Concluíram que os maiores poderiam gerar entre 364 e 718 megapascals de impacto - muito forte o suficiente para esmagar ossos.


"Os estudos biomecânicos, tais como estes que fazem aproximações, podem nos ajudar a compreender as estruturas que vemos nos dinossauros", afirma Kenneth Carpenter, paleontólogo do Denver Museum of Nature and Science. "No entanto, todos esses estudos são realmente "melhores" suposições de uma nova abordagem, além de sem dúvida produzir resultados diferentes... Sem uma máquina do tempo nós nunca saberemos realmente a verdadeira força do impacto, ou mesmo o quão perto nós estávamos nesses estudos."

Imagem 1: Visão artística de dois ankylossauros "combatendo" um tiranossauro rex. Matthew Brenton/University of Alberta, Canadá. Imagem 2: tomografia computadorizada em 3-D de renderização da estrutura óssea da cauda.

author

.:: Andhora Silveira ::.

É graduanda em Ciência da Computação. Ama ficção científica,
histórias em quadrinhos, heavy metal, livros, física, astronomia e tecnologia.
É uma leitora exigente e gosta muito de escrever. Vida longa e próspera.

Comente pelo facebook:

Comentário(s):

Comente pelo blogger:

Seja o primeiro a comentar!

:)) ;)) ;;) :D ;) :p :(( :) :( :X =(( :-o :-/ :-* :| 8-} :)] ~x( :-t b-( :-L x( =))

Postar um comentário

* Todos os comentários são lidos e moderados previamente;

Não serão publicados aqueles comentários que:

* Não estão relacionados ao tema do post;
* Contém propagandas (spam);
* Com palavrões ou ofensas a pessoas e marcas;
* Possui erros ortográficos e miguxês.

Back to Home Back to Top